fbpx Skip to main content

Você sabia que jantar mais cedo pode ser um hábito muito importante para o processo de perda de peso? Antecipar o jantar pode resultar em mudanças favoráveis no emagrecimento e também oferecer benefícios clínicos em relação às alterações nos marcadores de risco cardiometabólicos.

Diversos estudos já indicaram que o horário das refeições pode ter efeitos significativos no peso corporal, no apetite e no metabolismo de carboidratos e lipídeos. Diferentes características do padrão alimentar foram consideradas por pesquisadores, incluindo frequência diária das refeições, distribuição circadiana da ingestão, frequência irregular das refeições e omissão do café da manhã. Mas aqui neste texto eu quero falar especificamente sobre o horário do jantar.

Quem me acompanha nas redes sociais ou já se consultou comigo sabe que eu sempre falo que é preciso antecipar o jantar. Então, para te convencer de que esse é um fator que pode auxiliar no emagrecimento, trouxe para a nossa discussão o artigo Effects of consuming later evening meal versus earlier evening meal on weight loss during a Weight Loss Diet: a randomized clinical trial  (Efeito do jantar tarde comparado ao jantar mais cedo na perda de peso durante uma dieta de perda de peso: um ensaio clínico randomizado) publicado em 2020 na revista British Journal of Nutrition.

Esse estudo teve o objetivo de investigar o efeito de um horário de consumo diferente para a refeição da noite (jantar cedo vs. jantar tarde) na perda de peso e nas características do metabolismo de carboidratos e lipídios. Participaram da pesquisa 82 mulheres com sobrepeso ou obesidade, que foram distribuídas aleatoriamente em dois grupos com dieta hipocalórica para perda de peso, em um programa que durou 12 semanas. Um grupo realizou o jantar mais cedo, entre 19h00 e 19h30, enquanto o outro realizou essa refeição mais tarde, entre 22h30 e 23h.

Os resultados mostraram que jantar mais cedo levou a uma maior perda de peso em comparação com um jantar realizado mais tarde. Foi observada uma redução significativa nas medidas antropométricas e melhorias significativas nas características do metabolismo de lipídios e carboidratos foram detectadas ao longo das 12 semanas em ambos os grupos. Entretanto, comparado com o grupo que realizava o jantar mais tarde, o grupo que fazia essa refeição mais cedo apresentou maior redução de peso, Índice de Massa Corporal (IMC), circunferência da cintura, colesterol total, triglicerídeos e insulina de jejum.

Como uma possível explicação para esses resultados apresentados, é possível supor que o padrão alimentar que envolve refeições em um horário mais tardio pode influenciar os genes circadianos (SIRT1 e CLOCK). Isso pode fazer com que os que jantam mais tarde sejam mais propensos a ganhar peso e ter menor capacidade de perdê-lo. Há evidências de que as pessoas que possuem alelos menores em ambos os genes SIRT1 e CLOCK apresentam uma resistência à perda de peso significativa, que está associada à preferência de comer no fim da noite.

O ritmo circadiano pode influenciar no desenvolvimento de doenças metabólicas. Um ritmo circadiano atrasado em pessoas que se alimentam tarde, está associado à menor sensibilidade à insulina e alterações metabólicas por meio de alterações hormonais, que levam ao sobrepeso e à obesidade. No entanto, mais estudos são necessários para investigar o real mecanismo por trás dos resultados. A minha recomendação é sempre avaliar o ritmo circadiano na avaliação nutricional.

Outra questão que costumo comentar tanto nas minhas redes sociais quanto nos atendimentos é a importância do café da manhã! É melhor realizar um bom desjejum do que comer mais durante o jantar. Corroborando com essa afirmação, foi publicado em 2020, na revista The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, o estudo Twice as High Diet-Induced Thermogenesis After Breakfast vs Dinner On High-Calorie as Well as Low-Calorie Meals (Termogênese induzida pela dieta 2 vezes mais alta após o café da manhã quando comparada ao jantar com refeições de alto ou baixo teor calórico), que afirmou que um café da manhã “reforçado” é preferível a grandes jantares para prevenir a obesidade e picos elevados de glicose no sangue, mesmo sob condições de uma dieta de baixa coloria.

Nessa pesquisa, 16 indivíduos eutróficos do sexo masculino foram submetidos duas vezes a um estudo cruzado, randomizado e em laboratório de três dias. Os voluntários consumiram um café da manhã pré-determinado de baixa caloria (11% da necessidade calórica individual diária) e um jantar de alto teor calórico (69%) em uma condição e vice-versa na outra. 

O consumo da mesma quantidade de calorias levou a um aumento da termogênese induzida pela dieta 2,5 vezes maior pela manhã do que à noite após refeições de alto e baixo teor calórico.O aumento induzido por alimentos das concentrações de glicose no sangue e insulina diminuiu após o café da manhã em comparação com jantar. Além disso, o café da manhã de baixa caloria aumentou a sensação de fome, especificamente o apetite por doces, ao longo do dia. Isso mostra que a termogênese induzida pela dieta é claramente mais alta de manhã do que à noite, independentemente da quantidade de calorias consumidas.

E agora? Já está convencido de que é importante antecipar o jantar para auxiliar a perda de peso?

Gostou deste post? Então compartilhe com um amigo! Se deseja conhecer mais sobre a minha prática clínica e sobre os cursos de Nutrição Baseada em Evidência da escola NBE, clique AQUI.

 

Referências:

Madjd, A., Taylor, M. A., Delavari, A., Malekzadeh, R., Macdonald, I. A., & Farshchi, H. R. (2020). Effects of consuming later evening meal versus earlier evening meal on weight loss during a Weight Loss Diet: a randomized clinical trial. British Journal of Nutrition, 1–25. doi:10.1017/s0007114520004456

Richter, J., Herzog, N., Janka, S., Baumann, T., Kistenmacher, A., & Oltmanns, K. M. (2020). Twice as High Diet-Induced Thermogenesis After Breakfast vs Dinner On High-Calorie as Well as Low-Calorie Meals. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, 105(3). doi:10.1210/clinem/dgz311

Leave a Reply

Pilar 1 - Bases Clínicas do Emagrecimento

Módulo 1: Evidências  Clínicas

Aula 1: O que importa no emagrecimento

Aula 2: Como reconhecer as evidências?

Aula 3: Medicamentos para perda de peso

Módulo 2:  Set point e Estagnação do peso

Aula 3: Por que engordamos?

Aula 5: Efeito Platô e bioquímica do emagrecimento 

Pilar 2 - Estratégias Nutricionais e suplementação no Emagrecimento

Módulo 1: Estratégias nutricionais nível A de evidência

Aula 1: Como escolher a estratégia clínica mais adequada?

Aula 2 - Crononutrição → Paulo Mendes

Aula 3 - Jejum intermitente → Gustavo Monnerat

Aula 4 - Dieta Cetogênica

Aula 5- Plant-based e emagrecimento

Módulo 2:  Fitoterapia e Suplementação 

Aula 1 - Antioxidantes e chás

Aula 2 : Prescrição de Fitoterápicos no Emagrecimento - Com Leandro Medeiros

Aula 3: Suplementação e modulação intestinal - Com Ana Faller

Pilar 3 - Exercício físico e mudança da composição corporal

Módulo 1: Exercício sob o olhar do educador físico

Aula 1: Comportamento sedentário e saúde- Bruno Smirmaul

Aula 2: Exercício físico para perda de gordura corporal-- Parte 1 - Diego Viana

Aula 3: Exercício físico para perda de gordura corporal-- Parte 2 - Diego Viana

Módulo 2: Estratégias nutricionais no exercício físico

Aula 1: Estratégias nutricionais para hipertrofia muscular

Aula 2: Carboidratos na síntese muscular e desempenho físico

Aula 3: Treino e recursos ergogênicos

Aula 4: Recovery no exercício - Com Leticia Penedo

Pilar 4 - Mudança de comportamento no Emagrecimento

Módulo 1: Habilidades de comunicação do nutricionista 

Aula 1: Como melhorar o seu relacionamento com o paciente

Aula 2: Você se comunica de forma efetiva?

Aula 3: Como integrar o aconselhamento nutricional na consulta?

Módulo 2: Nutrição comportamental na prática

Aula 1: Comer intuitivo

Aula 2:Comer Intuitivo na prática clínica

Aula 3: Comer com atenção plena

Aula 4: Técnicas da terapia cognitivo comportamental

Pilar 5 - Pilares da medicina do Estilo de Vida (MEV)

Módulo 1:  Sono e álcool

Aula 1 - O Autocuidado no emagrecimento

Aula 2 - Cuidado com o sono

Aula 3 - Sley Tanigawa

Aula 4 - Álcool e relacionamento - Com Daniela Telo

Módulo 2: Estresse 

Aula 1 - Mindfulness: como praticar?

Aula 2 - Como gerenciar o estresse?

Aula 3 - Práticas corpo e mente Mindfulness

Aula 4 - Ayurveda - Com Duda Witt

Pilar 6 - Prática Clínica Avançada

Módulo 1: Casos Clínicos reais de consultório

Aula 1: Emagrecimento e mudança de composição corporal- Com Flávia Sobreira

Aula 2: Emagrecimento e efeito platô- Com Débora Gapa

Aula 3: Dieta Cetogênica - Com Annie Bello

Módulo 2: Emagrecimento e comorbidades: como  intervir

Aula 1: Emagrecimento com o paciente com dislipidemia- Com Vanessa Montera curso de portas abertas

Aula 2: Emagrecimento e redução da Esteatose Hepática- Com Rafael Salles