fbpx Skip to main content

Há décadas existe uma premissa na alimentação de que “carboidrato não pode a noite”, “o jantar deve ser leve” e derivados. Nos anos 2000 e 2010, o comportamento alimentar e as variáveis sociais, culturais e psicológicas envolvidas com a alimentação ganharam destaque (merecido) e esse pensamento foi relativamente abandonado.

Em meados da década de 2010 para cá, começaram a aumentar as pesquisas envolvendo ciclo circadiano e a relação que a Nutrição possui com ele. O assunto é longo e envolve detalhamento bioquímico e fisiológico extenso, como a atuação dos genes CLOCK e as vias envolvidas na crononutrição. É um tema que abordo com mais detalhes no Treinamento em Emagrecimento e Saúde! Já se inscreveu? É gratuito e online! Ainda dá tempo, basta clicar aqui.

Com as evidências disponíveis no momento, sabemos hoje que o horário das refeições realmente importa para a saúde, e que nutrientes possuem ações diferenciadas dependendo do horário que são consumidos. Ao mesmo tempo, não é tão simples quanto o preconizado anteriormente de restringir carboidrato à noite.

Para nos auxiliar, a American Heart Association (AHA), entidade americana dedicada à cardiologia, fez um levantamento das evidências científicas acerca do assunto e publicou em 2017 um posicionamento sobre horário e frequência das refeições no contexto de prevenção de doenças cardiovasculares. As principais recomendações foram:

– Alimentação em horários fixos e regulares;

– A maior parte do consumo alimentar deve ser realizada durante o dia, reservando refeições de menor valor calórico para a noite;

– Jejum noturno deve ser sempre incentivado (não “beliscar” durante o fim da noite e início da madrugada);

– Se preciso, posicionar snacks e pequenos lanches antes de refeições que o indivíduo tenha tendência a consumir em excesso;

– Jejum intermitente pode ser uma estratégia para redução calórica e consequente perda de peso.

Dessa forma, mais importante do que restringir carboidrato à noite é realizar o jantar mais cedo! Cada caso deve ser individualizado, claro, como tudo na Nutrição, mas a regra geral é que uma refeição grande e completa como o jantar deve ser realizada no máximo no início da noite, pensando em saúde e qualidade de vida!

Referência

ST-ONGE, M. P. et al. Meal timing and frequency: implications for cardiovascular disease prevention: a scientific statement from the American Heart Association. Circulation, v. 135, n. 9, p. e96-e121, 2017.

Leave a Reply

Pilar 1 - Bases Clínicas do Emagrecimento

Módulo 1: Evidências  Clínicas

Aula 1: O que importa no emagrecimento

Aula 2: Como reconhecer as evidências?

Aula 3: Medicamentos para perda de peso

Módulo 2:  Set point e Estagnação do peso

Aula 3: Por que engordamos?

Aula 5: Efeito Platô e bioquímica do emagrecimento 

Pilar 2 - Estratégias Nutricionais e suplementação no Emagrecimento

Módulo 1: Estratégias nutricionais nível A de evidência

Aula 1: Como escolher a estratégia clínica mais adequada?

Aula 2 - Crononutrição → Paulo Mendes

Aula 3 - Jejum intermitente → Gustavo Monnerat

Aula 4 - Dieta Cetogênica

Aula 5- Plant-based e emagrecimento

Módulo 2:  Fitoterapia e Suplementação 

Aula 1 - Antioxidantes e chás

Aula 2 : Prescrição de Fitoterápicos no Emagrecimento - Com Leandro Medeiros

Aula 3: Suplementação e modulação intestinal - Com Ana Faller

Pilar 3 - Exercício físico e mudança da composição corporal

Módulo 1: Exercício sob o olhar do educador físico

Aula 1: Comportamento sedentário e saúde- Bruno Smirmaul

Aula 2: Exercício físico para perda de gordura corporal-- Parte 1 - Diego Viana

Aula 3: Exercício físico para perda de gordura corporal-- Parte 2 - Diego Viana

Módulo 2: Estratégias nutricionais no exercício físico

Aula 1: Estratégias nutricionais para hipertrofia muscular

Aula 2: Carboidratos na síntese muscular e desempenho físico

Aula 3: Treino e recursos ergogênicos

Aula 4: Recovery no exercício - Com Leticia Penedo

Pilar 4 - Mudança de comportamento no Emagrecimento

Módulo 1: Habilidades de comunicação do nutricionista 

Aula 1: Como melhorar o seu relacionamento com o paciente

Aula 2: Você se comunica de forma efetiva?

Aula 3: Como integrar o aconselhamento nutricional na consulta?

Módulo 2: Nutrição comportamental na prática

Aula 1: Comer intuitivo

Aula 2:Comer Intuitivo na prática clínica

Aula 3: Comer com atenção plena

Aula 4: Técnicas da terapia cognitivo comportamental

Pilar 5 - Pilares da medicina do Estilo de Vida (MEV)

Módulo 1:  Sono e álcool

Aula 1 - O Autocuidado no emagrecimento

Aula 2 - Cuidado com o sono

Aula 3 - Sley Tanigawa

Aula 4 - Álcool e relacionamento - Com Daniela Telo

Módulo 2: Estresse 

Aula 1 - Mindfulness: como praticar?

Aula 2 - Como gerenciar o estresse?

Aula 3 - Práticas corpo e mente Mindfulness

Aula 4 - Ayurveda - Com Duda Witt

Pilar 6 - Prática Clínica Avançada

Módulo 1: Casos Clínicos reais de consultório

Aula 1: Emagrecimento e mudança de composição corporal- Com Flávia Sobreira

Aula 2: Emagrecimento e efeito platô- Com Débora Gapa

Aula 3: Dieta Cetogênica - Com Annie Bello

Módulo 2: Emagrecimento e comorbidades: como  intervir

Aula 1: Emagrecimento com o paciente com dislipidemia- Com Vanessa Montera curso de portas abertas

Aula 2: Emagrecimento e redução da Esteatose Hepática- Com Rafael Salles