fbpx Skip to main content

O envelhecimento da pele torna-se uma preocupação recorrente mesmo para adultos mais jovens. Por isso, a suplementação de colágeno torna-se cada vez mais comercial, com a alegação de que ele pode auxiliar na elasticidade, na redução de rugas e deixar os cabelos e unhas mais saudáveis. Atualmente, as suas formas comercializadas são o hidrolisado bovino, suíno, marinho e avícola. Mas será que a literatura realmente comprova a eficácia da suplementação de colágeno? Vem que eu te conto tudo sobre!

Como o colágeno endógeno atua na saúde da pele?

O colágeno é a principal proteína estrutural dos tecidos conjuntivos como a pele, tendões, cartilagem e ossos, uma vez que constitui 25-30% de todas as proteínas do corpo. Sua principal função está relacionada a fornecer suporte mecânico. Quando associado ao ácido hialurônico, reticulina e elastina, que são outras fibras encontradas na matriz extracelular, o colágeno forma uma rede de suporte para queratinócitos, melanócitos e células especializadas do sistema imunológico da pele.

Além disso, cerca de 70-80% do tecido conjuntivo consiste em colágeno, proporcionando firmeza e elasticidade para a derme, a camada intermediária da pele. Assim, a quantidade, estrutura e a composição do colágeno na pele influencia sua aparência externa.

Durante o processo de envelhecimento, a integridade estrutural da derme e seu teor de umidade tende a diminuir, e nossa pele tende a ficar mais seca, perdendo tensão e elasticidade. A principal razão é devido a redução da produção de colágeno endógeno e excesso de radicais livres, como radiação UV e certos fatores de estilo de vida, como dieta inadequada e tabagismo.

A deficiência de micronutrientes acelera ainda mais o processo de envelhecimento e a aparência da pele.

Mas precisamos mesmo suplementar o colágeno?

Quase todas as evidências que temos sobre a suplementação de colágeno são basicamente in vitro ou em animais. Além disso, não é ideal a extrapolação dos dados encontrados nas pesquisas com os seres humanos, uma vez que os suplementos utilizados não é o mesmo nos estudos, o que torna os resultados não comparáveis entre si.

Muitos dos estudos também são limitados por envolver apenas pacientes de alumas regiões geográficas, sexo e grupos de idade.Outro fator a destacar é que não há nenhuma evidência confiável para sugerir que a suplementação de colágeno digerido por via oral se direcione preferencialmente para a derme do que em outras partes do corpo.

Mas quais os dados que os estudos em humanos nos revelam? Qual a forma mais biodisponível?

A estrutura do colágeno é caracterizada por uma alta concentração de três aminoácidos – glicina, prolina e hidroxiprolina, na qual cria uma hélice tripla. Portanto, o colágeno é hidrolisado enzimaticamente, degradando-o em peptídeos bioativos menores (a principal forma suplementar de colágeno) que são facilmente absorvidos dentro do trato digestivo antes de entrar em circulação. (3)

E sobre a suplementação de Colágeno Hidrolisado?

Alguns estudos têm relacionado a suplementação com a melhora da saúde da pele. Os suplementos de colágeno hidrolisado são ricos em hidroxiprolina, prolina e glicina aminoácidos. Entre essas proteínas, apenas a hidroxiprolina é um componente do colágeno. Eles são absorvidos como dipeptídeos, não como aminoácidos, e se depositam na pele. (4)

É importante ressaltar que os estudos com colágeno hidrolisado também são heterogêneos entre si, que utilizaram diferentes concentrações de peptídeo de colágeno, diferentes formulações, diferentes origens (porcos, peixes, frango, etc.), e formas de administração (líquido e sólido). Outro fator importante é a duração da suplementação. Os efeitos benéficos foram evidentes aos 60 e 90 dias após o início da suplementação e foram mantidos por 30 dias após o término da intervenção.Com isso, não sabemos se o efeito será mantido a longo prazo.

E quando falamos de dor articular, a suplementação de colágeno tem relação com a sua melhora?

Uma revisão sistemática avaliou os efeitos da suplementação de peptídeo de colágeno na composição do corpo, síntese de colágeno e recuperação de lesão articular e de exercício.

Os resultados do estudo foram categorizados em quatro tópicos: como dor nas articulações e recuperação de lesões nas articulações, composição corporal, dor muscular e recuperação do exercício, e síntese de proteína muscular e de colágeno. Os resultados indicaram que a suplementação é mais benéfica para melhorar a funcionalidade e reduzir a dor das articulações. A suplementação de colágeno também aumentou o tempo sem dor, portanto, 5 g-15 g/ dia de colágeno quando tomadas pelo menos 1 hora antes do exercício, por mais de 3 meses, pode ajudar na redução da dor articular e melhorar a recuperação muscular.

Uma explicação possível é que o colágeno também contribui com 65-80% do peso seco dos tendões, com ligações cruzadas de colágeno auxiliando a estrutura do tendão a endurecer a resistência de tensões de alto impacto e forças de cisalhamento. (3)

-> Anote aí ( ou “take home message”)

O fator mais importante para a síntese de colágeno e não detalhado em todos os estudos é relacionado aos hábitos de vida dos pacientes.
O envelhecimento da pele é um processo degenerativo impulsionado por um declínio na função fisiológica e que sofre influências de fatores intrínsecos e extrínsecos (como poluição e a exposição ao sol). Sendo assim, o estilo de vida pode contribuir para aumentar a oxidação e para a inflamação crônica, que pode acelerar até processos de envelhecimento.

Por isso, pessoas que possuem hábitos de vida saudáveis, como uma dieta balanceada e ingestão de água adequada apresentam melhoras na saúde e aparência da pele. O estilo de vida é fundamental para a nossa saúde em geral, sendo mais importante que a suplementação de colágeno.

Gostaram de saber um pouco mais sobre a suplementação de colágeno?

Precisamos ficar sempre atentos aos estudos e suas limitações acerca da suplementação!

Uma dica é sempre notar se os suplementos possuem a mesma composição, a duração da suplementação bem como o tempo avaliado após a intervenção, a população do estudo e o tamanho da amostra. Por isso, concluímos que não há evidência científica suficiente que sustente a suplementação.

Referências:

PRESSURE Ulcer Healing with a Concentrated, Fortified, Collagen Protein Hydrolysate Supplement: A Randomized Controlled Trial. S. Kwon Lee MD, FACS Mary Ellen Posthauer RD, CD, LD Becky Dorner RD, LD Vicki Redovian MA, RD, LD Mary Jane Maloney MSN, CNP, CWS, mar. 2006.
DIETARY supplements for treating osteoarthritis: a systematic review and meta-analysis. BMJ, 2017.

3- THE EFECTS of collagen peptide supplementation on body composition, collagen synthesis, and recovery from joint injury and exercise: a systematic review. Springer, 22 fev. 2022.

4- EVALUATION of a Food Supplement with Collagen Hydrolysate and Micronutrients on Skin Appearance and Beauty Effects: A Randomized, Double-Blind, PlaceboControlled Clinical Study with Healthy Subjects. Journal of Clinical and Cosmetic Dermatology, jan. 2021.

Pilar 1 - Bases Clínicas do Emagrecimento

Módulo 1: Evidências  Clínicas

Aula 1: O que importa no emagrecimento

Aula 2: Como reconhecer as evidências?

Aula 3: Medicamentos para perda de peso

Módulo 2:  Set point e Estagnação do peso

Aula 3: Por que engordamos?

Aula 5: Efeito Platô e bioquímica do emagrecimento 

Pilar 2 - Estratégias Nutricionais e suplementação no Emagrecimento

Módulo 1: Estratégias nutricionais nível A de evidência

Aula 1: Como escolher a estratégia clínica mais adequada?

Aula 2 - Crononutrição → Paulo Mendes

Aula 3 - Jejum intermitente → Gustavo Monnerat

Aula 4 - Dieta Cetogênica

Aula 5- Plant-based e emagrecimento

Módulo 2:  Fitoterapia e Suplementação 

Aula 1 - Antioxidantes e chás

Aula 2 : Prescrição de Fitoterápicos no Emagrecimento - Com Leandro Medeiros

Aula 3: Suplementação e modulação intestinal - Com Ana Faller

Pilar 3 - Exercício físico e mudança da composição corporal

Módulo 1: Exercício sob o olhar do educador físico

Aula 1: Comportamento sedentário e saúde- Bruno Smirmaul

Aula 2: Exercício físico para perda de gordura corporal-- Parte 1 - Diego Viana

Aula 3: Exercício físico para perda de gordura corporal-- Parte 2 - Diego Viana

Módulo 2: Estratégias nutricionais no exercício físico

Aula 1: Estratégias nutricionais para hipertrofia muscular

Aula 2: Carboidratos na síntese muscular e desempenho físico

Aula 3: Treino e recursos ergogênicos

Aula 4: Recovery no exercício - Com Leticia Penedo

Pilar 4 - Mudança de comportamento no Emagrecimento

Módulo 1: Habilidades de comunicação do nutricionista 

Aula 1: Como melhorar o seu relacionamento com o paciente

Aula 2: Você se comunica de forma efetiva?

Aula 3: Como integrar o aconselhamento nutricional na consulta?

Módulo 2: Nutrição comportamental na prática

Aula 1: Comer intuitivo

Aula 2:Comer Intuitivo na prática clínica

Aula 3: Comer com atenção plena

Aula 4: Técnicas da terapia cognitivo comportamental

Pilar 5 - Pilares da medicina do Estilo de Vida (MEV)

Módulo 1:  Sono e álcool

Aula 1 - O Autocuidado no emagrecimento

Aula 2 - Cuidado com o sono

Aula 3 - Sley Tanigawa

Aula 4 - Álcool e relacionamento - Com Daniela Telo

Módulo 2: Estresse 

Aula 1 - Mindfulness: como praticar?

Aula 2 - Como gerenciar o estresse?

Aula 3 - Práticas corpo e mente Mindfulness

Aula 4 - Ayurveda - Com Duda Witt

Pilar 6 - Prática Clínica Avançada

Módulo 1: Casos Clínicos reais de consultório

Aula 1: Emagrecimento e mudança de composição corporal- Com Flávia Sobreira

Aula 2: Emagrecimento e efeito platô- Com Débora Gapa

Aula 3: Dieta Cetogênica - Com Annie Bello

Módulo 2: Emagrecimento e comorbidades: como  intervir

Aula 1: Emagrecimento com o paciente com dislipidemia- Com Vanessa Montera curso de portas abertas

Aula 2: Emagrecimento e redução da Esteatose Hepática- Com Rafael Salles